Jurídico do Sindiforte consegue cirurgia negada por plano de saúde. Ação também garantiu indenização por danos morais

Jefferson_na_lagoa

Em agosto de 2015, o  vigilante de base Jefferson Simões do Nascimento, da TransExpert, procurou o Sindiforte para fazer sua homologação. Ao contar sua história, relatou indicação médica para cirurgia no quadril direito, desde junho de 2015, não autorizada pelo plano de saúde em função de inadimplência da empresa. O jurídico do Sindicato recusou a homologação e, no lugar, entrou com ação de reintegração contra a TransExpert e com processo contra a Unimed, solicitando tutela antecipada para realização da cirurgia e indenização por danos morais.

Jefferson após operação

Jefferson após operação

Hoje, o vigilante, operado em novembro, continua com seu pós-operatório garantido, fazendo fisioterapia pelo plano. E a justiça estipulou o dano moral em R$ 3 mil, faltando só sair o alvará para que ele possa receber. Emocionado, Jefferson agradece:

“A doutora Clarissa Costa foi excelente, não sabia o quanto era importante minha cirurgia. A Lucila, da recepção, fez tudo por mim. O presidente Bezerra também conversou comigo. Meu obrigado a todos”.

Homologar é coisa séria
O presidente Bezerra lembra a importância de uma homologação séria e responsável: “Um sindicato interessado realmente na sua categoria verifica todas as condições da demissão antes de homologar, conversa, confere, garante que o direito do trabalhador seja respeitado. É isso que fazemos aqui e para tanto contamos com ótima equipe jurídica”.