Nossa História

O Sindicato que verdadeiramente representa os trabalhadores de transportes de valores do município do Rio de Janeiro e regiões, Sindiforte-RJ, nasceu de um movimento de 1994, com intuito de promover uma revolução na categoria, como nos mostra Rosemberg Santos, atual vice-presidente do Sindiforte e, na ocasião, líder de base da antiga Seiprus. Ele participou ativamente de toda a história.

“Na época, sofríamos com vários ataques ‘caipiras’ aos carros-fortes. Eram ataques de grupos criminosos inspirados nos ataques que aconteciam no interior do estado de São Paulo, motivados por uma matéria recém exibida pelo Fantástico que mostrou pela primeira vez no Brasil o fuzil calibre 556, o famoso AR 15, e aparecia o atirador realizando vários disparos em placas da mesma espessura encontrada nos carros-fortes. Depois desta reportagem da Globo, os chamados ‘caipiras’, meliantes que se intitularam Comando Caipira, encontraram campo fértil no Rio de Janeiro. Houve uma sequência de assaltos com várias investidas violentas vitimando bravos guerreiros e mutilando outros.

caipiras2Naquela ocasião, 1994, éramos representado sindicalmente pelo sindicato do município do Rio de Janeiro no qual o presidente era o Sr. Antônio Bandeira e o vice-presidente o Sr. Rocha, e ambos fecharam os olhos para a categoria. O governador era o Sr. Nilo Batista, também do PDT, e havia um fechamento político do presidente do sindicato que nos representava e apoiava a candidatura do Sr. Leonel Brizola a Presidente da República.

Assim, por ter interesses políticos, o presidente do sindicato que representava nossa categoria não aderiu à greve que a própria categoria, juntamente com seus representantes sindicais de base de então, promoveu. Os Srs. Bezerra, Heralde (in memoria), Baptista, Justiniano, Cruz (Sipson) e Agnaldo (in memoria), que estavam indignados com a postura destes pseudo representantes, realizaram então uma paralisação de 13 dias no Rio de Janeiro.

No mesmo dia em que dois companheiros da empresa Protege, Sr. Adis e Sr. João – foram covardemente assassinados de uma só vez pelos chamados meliantes, o movimento culminou com vários carros-fortes indo para o Palácio Guanabara, sede do governo do estado. Lá foi feito um discurso inflamado desta representação de base, que organizou todo o movimento para melhorar as condições de trabalho e restaurar a dignidade do vigilante de carro-forte. Para nossa decepção, o presidente do sindicato do município e o seu vice-presidente, preocupados com a política, estavam no Palácio Guanabara mas não deram o apoio devido ao legítimo movimento da categoria.

Daí nasceram as grandes lideranças sindicais que foram para Brasília: Sr. Heralde (in memória), Sr. Agnaldo (in memoria) e Sr. Bezerra, nosso atual presidente, contrariando a vontade daqueles que nos representavam. Várias conquistas, como a potencialização dos carros-fortes e a troca dos armamentos (como as carabinas de repetição) e os 30% de periculosidade, o qual Sr. Bandeira foi contra na época, originaram-se nesse movimento e a partir daí tivemos a antiga portaria 95 da lei 7.102, que fala das pistolas 380 e do calibre 38. Na época, várias guarnições usavam obsoletos calibres 32 e carabinas de um cano e dois canos.

Essa é a história de luta do nosso Sindicato de transporte de valores, história da qual temos um orgulho muito grande. Nossas vozes penalizadas pelos maus representantes de então não se calaram e fizemos valer a voz maior que é a de toda categoria. Demos a volta por cima. Podemos bater no peito para dizer que toda a diretoria do Sindiforte é oriunda do carro-forte, trabalhamos com vários companheiros que nos acompanham há muitos anos nessa empreitada, sempre travando guerra com muitas vitórias para nossa categoria.”

Conquistas com o Sindiforte-RJ

O Sindiforte-RJ é um sindicato jovem. Foi fundado em 23 de novembro de 1995, a partir da Associação dos Vigilantes em Transporte de Valores. Teve a primeira sede social localizada na Rua Figueira de Melo 91, 2º andar. Em seguida passou para a Rua Escobar e em 2001, apenas seis anos depois de oficialmente reconhecido pelo Ministério do Trabalho, adquiriu sua sede própria, onde funciona até hoje, na Rua General Bruce 703, em São Cristóvão. Todos os avanços e conquistas obtidos pelo Sindicato são fruto de um trabalho sério, ético e de mobilização. As negociações dos acordos coletivos com o patronal são desgastantes, exigem muita perseverança e habilidade de negociação. Por isso sua presença nas assembleias é muito importante. Você faz o Sindicato mais forte e com maior poder de luta.

Dentre as conquistas mais importantes para os trabalhadores destacam-se:

  • risco de vida;
  • compra da sede social;
  • mudança do plano de saúde de Cemeg para Dix;
  • escolha do auxílio alimentação entre vale refeição ou vale alimentação;
  • equiparação do piso salarial de carro-forte e ATM;
  • aquisição de veículo próprio para uso social, como visitas às bases e transporte de companheiros feridos/acamados;
  • conquista do seguro de vida mais abrangente, incluindo invalidez por doença.

 

Conquistas mais recentes

 

Convenção Coletiva de 2014/2015:

  • PPR, Programa de Participação nos Lucros;
  • conquista antecipada do ‘Risco de Vida’, que representou R$ 12 mil extras para o trabalhador (através do recebimento, desde março, do que a lei só garantiu a partir de dezembro/2013).

 

Convenção Coletiva de 2015/2016:

  • Ganho real para todos, sendo 5% para tesouraria e vigilantes de base e 1% para pessoal de carro-forte e administrativo;
  • Ganho real também no tíquete-refeição, sendo 6,6% para pessoal de carro-forte e vigilantes de base e 0,83% para administrativo e tesouraria.